NUTRIÇÃO ENTERAL E PARENTERAL

INTRODUÇÃO

Nutrição é o estudo dos alimentos e do mecanismo pelo qual o organismo ingere, assimila e utiliza os nutrientes que fornecem a energia necessária para mantê-lo vivo.
A relação da alimentação com o bem-estar físico e o pleno desenvolvimento mental e emocional já era conhecida na antiguidade. Tal conhecimento tornou-se público através de Hipócrates, que escreveu sobre a higiene, o repouso e a boa alimentação.

Um dos maiores contribuidores para o desenvolvimento dos princípios da nutrição, foi Pedro Escudero, médico argentino, que em 1937 introduziu o estudo da alimentação e da Nutrição nas escolas de Medicina de seu país, como uma nova visão da clínica médica. Com essa inovação, Escudero pôde divulgar as Leis da Alimentação, por ele estabelecidas aos profissionais que coordenavam equipes de saúde, e rompe com o empirismo que até então cercava o tema da alimentação.

Atualmente, o estudo da Nutrição abrange campos mais diversificados, como as mais distintas áreas da saúde, nutrição, farmácia, enfermagem, bromatologia, engenharia de alimentos, biotecnolobia entres outras. 

NUTRIÇÃO ENTERAL

CONCEITO:

Consiste na administração de alimentos liquidificados ou de nutrientes através de soluções nutritivas com fórmulas quimicamente definidas, por infusão direta no estômago ou no intestino delgado, através de sondas. Está indicada em pacientes com necessidades nutricionais normais ou aumentadas, cuja ingestão, por via oral, está impedida ou é ineficaz, mas que tenham o restante do trato digestivo anatomofuncionalmente aproveitável.

Objetivo da Nutrição Enteral

Atender as necessidades nutricionais do organismo, quando a ingesta oral é inadequada ou impossível, desde que o TGI (Trato Gastrointestinal) funcione normalmente.

NUTRIÇÃO PARENTERAL

CONCEITO:

A nutrição parenteral visa fornecer, por via parenteral, todos os elementos necessários à demanda nutricional de pacientes com necessidade normal ou aumentada, cuja via digestiva não pode ser utilizada ou é ineficaz. A nutrição parenteral pode ser total, isto é, quando o paciente é nutrido exclusivamente por via parenteral, ou complementar, quando está associada à utilização concomitante da via digestiva. Pode ser ainda, central, quando é administrada em via central, como a veia cava superior, ou periférica, quando é administrada em veias periféricas.

Objetivo da Nutrição Parenteral

Atender as necessidades nutricionais do organismo, quando NE é inadequada ou impossível visando aliviar ou corrigir os sinais, os sintomas e as seqüelas da desnutrição. 
É oportuno lembrar que a nutrição parenteral não é um método substitutivo das outras medidas terapêuticas que devem ser utilizadas no tratamento da doença básica ou complicações associadas. Deve ser descontinuada tão logo seja possível a realimentação adequada do doente pela via digestiva.